Entregando suas vidas uns pelos outros e pelo Senhor - nas florestas da América Norte

Por favor, esteja ciente de que este artigo contém detalhes sobre tortura.

Cena 1: Entre o Lago Huron e o Lago Simcoe (atual Canadá), 1634-1642

O povo Huron1 era bom combatente, além de agricultores, caçadores e pescadores. Mas todas as suas habilidades de luta não conseguiram protegê-los contra doenças Europeias como sarampo, gripe e varíola, das quais cerca de metade da comunidade Huron morreu entre 1634 e 1642. E todas as suas habilidades agrícolas não conseguiram evitar as frequentes colheitas ruins durante esses anos. Eles também tiveram que enfrentar o temível povo Iroquês2, a sudeste, que os atacou e escravizou. Durante esse período tumultuado, missionários Franceses viveram entre eles, compartilhando suas dificuldades e o Evangelho. Um deles foi o gentil Isaac Jogues.

Apesar da forte oposição dos “curandeiros” da religião animista local, cerca de cem Hurons se tornaram Cristãos, principalmente os doentes e idosos. Os guerreiros, em geral, não tinham nada além de desprezo pelo Cristãos, mas entre os guerreiros que se converteram estava o renomado Ahatsistari, que recebeu o nome de Eustáquio em seu batismo.

Cena 2: Remando contra a corrente no rio São Lourenço, de Quebec em direção à terra natal dos Huron, 1642

Em agosto de 1642, um grupo de Hurons Cristãos (incluindo Eustáquio) e alguns missionários Franceses (incluindo Isaac), viajando juntos em quatro canoas, foram atacados por alguns guerreiros do povo Iroquois. Os Iroqueses não eram apenas inimigos hereditários dos Hurons, mas também estavam indignados com aqueles que haviam abandonado sua religião tribal tradicional para seguir a Cristo. Metade do grupo de Cristãos fugiu para a floresta. O restante se entregou a Deus e tentou se defender, mas logo foi dominado pelos Iroqueses, que os superavam em quase seis para um. Eustáquio, os outros Hurons e um missionário chamado René Goupil foram feitos prisioneiros. Isaac não fugiu. Tampouco foi capturado. Desejando compartilhar o perigo de seus irmãos em Cristo, Isaac se entregou voluntariamente aos Iroqueses surpreendendo-os.

Quando se encontraram novamente como prisioneiros, Eustáquio disse a Isaac: “Louvo a Deus por Ele ter me concedido o que eu tanto desejava: viver e morrer com você”. Isaac estava sem palavras de emoção quando, naquele momento, outro missionário, Guillaume Cousture, juntou-se a eles. Guillaume havia fugido para a floresta e escapado de seus perseguidores. Então, ele percebeu que Isaac não estava com ele e que devia estar nas mãos dos Iroqueses, por isso voltou imediatamente e se ofereceu como prisioneiro. 

Assim começaram várias semanas de intenso sofrimento para os Cristãos capturados, tanto Hurons quanto Franceses. Eles foram espancados com paus, mordidos, esfaqueados e queimados. Suas unhas foram arrancadas, dedos cortados, cabelos e barbas arrancados. Eles foram forçados a uma longa jornada, com pouquíssima comida, inicialmente de canoa, mas depois a pé e carregando fardos pesados, apesar de suas feridas infectadas. No oitavo dia, encontraram um grupo de cerca de 200 guerreiros a caminho do ataque a um forte Francês, que parou em seu caminho de guerra para torturar os missionários e os Cristãos Hurons. Eles cortaram os dois polegares de Eustáquio e enfiaram um espeto em seu braço esquerdo até o cotovelo.

Isaac conseguiu aprender a língua de seus captores e começou a pregar e a discutir assuntos religiosos com eles.

Cena 3: Sudeste do Lago Ontário, 1642-1646

Em cada aldeia Iroquês para onde os cativos eram levados, era construído um palco no qual eles eram exibidos aos aldeões, a maioria dos quais nunca havia visto nada tão estranho quanto um Huron Cristão ou um Europeu. Às vezes, os cativos eram obrigados a cantar. Em uma aldeia, uma mulher Cristã do povo Algonquino, que havia sido capturada e escravizada pelos Iroqueses, foi forçada a cortar o polegar esquerdo de Isaac. Quanto a Guillaume, um Iroquês tentou serrar um de seus dedos com uma concha, mas ela não era afiada o suficiente, então ele simplesmente arrancou o dedo. Foi uma das ocasiões em que os aldeões compassivos tentaram aliviar o sofrimento dos Cristãos, e alguém abrigou Guillaume em sua própria cabana por dois dias depois disso.

Muitos Hurons foram mortos. Eustáquio foi queimado até a morte. Em vez de clamar em meio às chamas para que sua morte fosse vingada, como seria de se esperar em seus dias de guerreiro pré-Cristãos, Eustáquio suplicou aos Hurons que o observavam que a lembrança de sua morte nunca os levasse a atacar os Iroqueses.

Outro mártir Huron cujo nome foi preservado foi Paul Onnonhoaraton. Ele declarava corajosamente sua esperança em uma vida melhor após a morte, que, portanto, não o amedrontava. Em um determinado momento da viagem, quando os Iroqueses estavam se aproximando de Isaac para infligir outro tormento cruel, Paul se ofereceu no lugar de Isaac e, assim, ocorreu seu martírio.

O missionário René foi morto com alguns golpes de tomahawk (machado de guerra), mas Isaac e Guillaume foram dados a famílias Iroquesas.3

Isaac escreveu mais tarde uma longa carta descrevendo o ano em que viveu com “sua” família. Apesar dos constantes insultos, ameaças e vários atentados contra sua vida, desenvolveu-se um tipo estranho de rotina em que ele cozinhava para a família, buscava água e cuidava do fogo. Ele tinha tempo livre para orar. Fez para si uma pequena cruz de madeira e repetia as Escrituras que sabia de cor ou outras que lembrava em paráfrases. Seus sonhos noturnos eram repletos de cruzes e perseguições.

Isaac conseguiu aprender a língua de seus captores e começou a pregar e a discutir assuntos religiosos com eles. Ele viajava para outras aldeias e ministrava aos prisioneiros Hurons, Algonquinos e Franceses, especialmente àqueles que estavam prestes a ser torturados e mortos. Observando tudo isso, seus captores o chamaram de Ondessonk, que significa “Indomável”.

Isaac foi libertado quando comerciantes Holandeses pagaram seu resgate. Depois de alguns meses na França, ele voltou para evangelizar novamente os Hurons, que agora estavam se tornando Cristãos em grande número. Em outubro de 1646, foi capturado por guerreiros Iroquois, que o culparam pelas lagartas que haviam devorado as plantações naquele ano, causando grande fome, e por uma epidemia recente. Perto da atual Auriesville (estado de Nova York, nos EUA), os guerreiros o mataram com um tomahawk. No dia seguinte, mataram seus dois companheiros: um Francês chamado Jean de Lalande e um Huron cujo nome é desconhecido.

Cena 4: Gnadenhütten (perto da atual Lehighton, na Pensilvânia, nos EUA), 1755

Em 1755, a Grã-Bretanha e a França estavam envolvidas em um conflito entre si que se estendia à América do Norte e arrastava os indígenas Americanos para lutar em ambos os lados.

Um grupo de missionários, principalmente Alemães, vivia perto da atual Lehighton, na Pensilvânia, em uma colônia chamada Gnadenhütten (“Tendas da Graça”). Como Moravianos, eles eram pacifistas. Nas proximidades, eles haviam construído um assentamento para os Cristãos Americanos nativos, que logo foi povoado por Cristãos Moicanos que haviam fugido da perseguição em outros lugares e pelo povo local de Delaware que respondeu ao trabalho evangelístico dos missionários.4

Em novembro, os indígenas Americanos apoiados pelos Franceses estavam lançando ataques na área, mas os missionários permaneceram no local, prontos para morrer em vez de abandonar seu posto missionário. A maioria dos Cristãos indígenas estava longe de Gnadenhütten pois era época de caçar nas florestas. Na noite de 24 de novembro, um grupo de indígenas Americanos atacou o assentamento missionário, matando dez adultos e uma criança pequena. Quatro missionários escaparam e um foi capturado.

Cena 5: Gnadenhütten (atual Ohio, nos USA), 1781-2

Em 1781, havia outro conflito em andamento, com os colonos Americanos brancos buscando a independência do domínio Britânico. Novamente os missionários pacifistas Moravianos eram neutros (e, portanto, vistos com desconfiança por ambos os lados). Novamente os indígenas Americanos foram envolvidos no conflito.

Houve também uma outra Gnadenhütten. Desde os eventos de 1755, um grupo de missionários Moravianos e Cristãos indígenas Americanos havia se mudado para o oeste de Ohio. Os habitantes de Delaware começaram a se voltar para Cristo, e alguns assentamentos foram estabelecidos para o crescente número de Cristãos Americanos indígenas. Um deles, com mais de 200 habitantes, foi chamado de Gnadenhütten em memória dos mártires de Gnadenhütten, na Pensilvânia.

Assim como sua homônima, esta nova Gnadenhütten sofreria um grave ataque que resultou em muitos mártires Cristãos. O professor Craig D. Atwood compara os dois eventos:

Na Pensilvânia, os Moravianos brancos foram mortos por nativos Americanos. Em Ohio, seus irmãos nativos Americanos foram mortos por Americanos brancos. Em ambos os casos, os mártires eram homens, mulheres e crianças que tentaram seguir o caminho de Cristo em uma época violenta e perigosa, olhando além das diferenças de cor de pele, idioma e costumes para chamar uns aos outros de irmãos e irmãs. Eles estavam preparados para sacrificar suas próprias vidas em vez de tirar a vida de outros.5

Quando estourou a guerra entre a Grã-Bretanha e os colonos, a maioria dos indígenas Americanos ficou do lado da Grã-Bretanha para que pudessem atacar os colonos que os haviam tratado com dureza. Os Britânicos, presumindo que os Moravianos eram pró-colonos, incitaram os indígenas Americanos a atacá-los.

Em setembro de 1781, os missionários Europeus e os Cristãos indígenas dessa parte de Ohio foram expulsos de suas casas e forçados a caminhar 200 km para o norte. Depois de um mês, chegaram a Sandusky, onde foram deixados para se defenderem sozinhos em uma paisagem inóspita e com pouca comida.

O inverno chegou. A neve caiu. O gado e algumas crianças morreram de fome. No entanto, em Gnadenhütten, suas plantações não foram colhidas. No início de 1782, um grupo de famílias indígenas Cristãs partiu nervosamente de volta para suas antigas casas. No caminho, eles foram encorajados pela notícia de que os Americanos brancos agora eram amigáveis. Durante semanas, eles trabalharam em seus antigos campos, colhendo as plantações castigadas pelo tempo e se preparando para levar alimentos para os crentes famintos de Sandusky. Mas então um grupo de milicianos colonizadores chegou a Gnadenhütten; eles estavam buscando vingança pelo massacre de várias famílias brancas por indígenas Americanos aliados aos Britânicos. Prometendo proteção e fingindo ser muito religiosos, os milicianos facilmente fizeram prisioneiros os confiantes Cristãos. Eles disseram aos inocentes indígenas Americanos, amantes da paz, que eles deveriam morrer.

Em seus dias de guerreiros, os Gnadenhütteners teriam se defendido fortemente, mas agora, sendo Cristãos, eles simplesmente pediram aos seus captores tempo para se prepararem para a morte.

Em seguida, pedindo perdão por qualquer ofensa que tivessem feito ou por qualquer dor que tivessem causado um ao outro, ajoelharam-se, oferecendo fervorosas orações a Deus, seu Salvador - e beijando-se mutuamente, sob uma torrente de lágrimas, totalmente resignados à Sua vontade, cantaram louvores a Ele, na alegre esperança de que logo seriam aliviados de suas dores e se uniriam a seu Redentor na felicidade eterna.6

No dia seguinte, eles foram atacados com martelo, tomahawk e escalpelamento, até que 62 adultos e 34 crianças morreram.

Como o Chefe Tecumseh resumiu mais tarde,

os indígenas de Jesus de Delaware viviam perto dos Americanos, confiavam em suas promessas de amizade e pensavam que estavam seguros, mas os Americanos assassinaram todos os homens, mulheres e crianças, enquanto eles oravam a Jesus.7


Você pode ler mais sobre esses mártires nos livros de leituras devocionais diárias de Patrick Sookhdeo sobre mártires Cristãos, Heroes of Our Faith (Heróis da Nossa Fé), Vol. 2, p. 14, 89, 313, 350 (Isaac Publishing, 2021, ISBN 978-1-952450-15-0). Para comprar este livro, acesse barnabasaid.org/resources/books ou entre em contato com o nosso escritório do Ajuda Barnabas

Notas de rodapé

1 As pessoas de fora os chamavam de Huron, mas eles se autodenominavam Wendat.

2 As pessoas de fora os chamavam de Huron, mas eles se autodenominavam Wendat.

3 Guillaume não foi martirizado. Sua coragem sob tortura e suas habilidades como carpinteiro e atirador ganharam tanto respeito entre os Iroquois que eles o convidaram para participar de um de seus conselhos. Em 1645, eles o libertaram da servidão em uma troca de prisioneiros e ele ajudou a negociar a paz entre os Iroquois e as potências coloniais Francesas. Depois de mais dois anos de trabalho missionário entre os Hurons, Guillaume se estabeleceu perto de Quebec, casou-se com uma francesa e teve dez filhos. Ele se tornou o principal administrador, capitão da milícia e magistrado-chefe de seu assentamento (mais tarde chamado de Lévis). Ele morreu em 1701, aos 83 anos de idade.

4 As pessoas de fora os chamavam de Delaware, mas eles se autodenominavam Lenape.

5 Craig D. Atwood, “The Jesus Indians of Ohio” (Os Índios de Jesus de Ohio), 4 Julho 2021, https://www.plough.com/en/topics/faith/witness/jesus-indians-of-ohio (visualizado 29 Dezembro 2023). Originalmente publicado 1 Junho 2016 em Plough Quarterly, no. 9.

6 John Heckewelder, Uma Narrativa da Missão dos Irmãos Unidos entre os Índios Delaware e Mohegan, desde seu início no ano de 1740 até o final do ano de 1808. Compreendendo todos os incidentes notáveis que ocorreram em suas estações missionárias durante esse período, intercalados com anedotas, fatos históricos, discursos de Índios e outros assuntos interessantes, Philadelphia: M’Carty and Davis, 1820, p.318-319. Heckewelder (1743-1823), nascido na Inglaterra, foi um missionário Moraviano em Ohio.

7 Discurso feito pelo chefe Tecumseh do povo Shawnee a William Harrison, governador do Território Indígena, em 11 de agosto de 1810. Citado em Elizabeth Cobb e Edward J. Blum (eds.), Major Problems in American History (Principais Problemas da História Americana), Vol. 1 até 1877 Documentos e Ensaios, 4ª ed. (Boston: Cengage Learning, 2017) p.187.

More stories